quarta-feira, 11 de junho de 2008

Schubert - "Die schöne Müllerin"

Schubert publicou dois ciclos de canções que se podem considerar entre as expressões máximas desta forma de arte.

O primeiro deste ciclo foi publicado em 1824 (composto cerca de um ano antes em 1823). Trata-se de um conjunto intitulado "Die schöne Müllerin" composto sobre poemas de Wilhelm Müller.

O ciclo de poemas conta a história de um jovem que passeando pelo campo encontra um ribeiro que segue até encontrar um moinho onde conhece uma bela moleira por quem se apaixona. Infelizmente o objecto do seu amor prefere um caçador que vestido de verde lhe oferece um laço da mesma cor. O jovem desenvolve então uma obsessão pela cor verde terminando por desesperado suicidar-se no ribeiro. A ultima canção é uma ode cantada pelo ribeiro ao jovem para o apaziguar pelo amor não correspondido e pela morte nos braços das suas águas geladas.

O ciclo é composto por vinte canções sendo normalmente cantadas por um homem (Tenor ou Soprano) embora existam transcrições para vozes mais graves. Oiçam aqui Dietrich Fischer-Dieskau acompanhado ao piano por Christoph Eschenbach.

Já agora continuando no ciclo de referências a grandes músicos portugueses oiçam aqui Vianna da Motta ao piano interpretando uma transcrição para piano da segunda canção do ciclo de Schubert. Transcrição aliás ela mesmo não mesmo notável do nosso futuro conhecido Liszt. Trata-se sem dúvida de uma gravação histórica datada de 1928.

6 comentários:

  1. Ora cá estou eu a visitá-lo. É claro que precisa por aqui de umas vírgulas, sim, mas perdoo-lhas pelo que ensina sobre Música. Com as minhas origens modestas, nunca percebi onde fui buscar os meus gostos por música clássica, mas há uma obra de Mahler que nunca consigo ouvir até ao fim de olhos enxutos, as óperas encantam-me, praticamente sem excepções, Bethoven dá-me coragem, Bach faz-me sentir viva, Verdi faz-me sentir uma parte da natureza e assim por diante. de Cschubert, entre outras peças, conheço a Bela Moleira e o desgraçado amor que ela provoca mas a sua Avé-Maria nunca me cansa. Estamos quites? Passarei por aqui para ouvir Música! Ah, mas gosto imenso de fado, menos do fado brejeiro, de Maria Bethania, Chico Buarque e Caetano Veloso. Um abraço da Carmo
    PS. Já postei as regras da vírgula...

    ResponderEliminar
  2. Deixei aqui um comentário esta tarde, Fernando. Desapareceu, não foi aprovado ou ainda não teve tempo? fico à espera, com uma certa preocupação. Abraço, Avó Pirueta.

    ResponderEliminar
  3. Olá Maria do Carmo. Não tinha tido tempo de aprovar. Mahler: Sim uma escolha "difícil". Pessoalmente choro sempre com a nona de Beethoven. Também adoro fado e quanto a música popular brasileira e francesa de tempos a tempos graças a algumas liberdades poéticas que tomo passam por aqui alguns cantores. Brel, Brassens, Ferré, Piaf, Buarque, Veloso, Elis, Amália, ... são verdadeiros clássicos eles também.

    ResponderEliminar
  4. CÁ está uma das obras que me fez apaixonar pela música de schubert e pela língua alemã, que ainda domino muito mal... mas com o tempo, muito tempo mesmo, talvez chegue a dominar o suficiente para ouvir os lieder de schubert, a ode à alegria de beethoven, as operas de mozart e as cantatas de bach como deve ser.
    tenho este ciclo com peter schreier... mas claro está, com fiecher-dieskau estamos sempre muito bem.

    ResponderEliminar
  5. Ich habbe zwei yahr gelernt abber Ich habe alles fergessen ... :-) Acho que é assim com muitos erros gramaticais e ortográficos à mistura ... foram só dois anos no Liceu à muito, muito tempo. Tive pena de deixar o alemão mas na área de ciências era impossível manter uma quarta língua. Já tinha Francês, Português e Inglês.
    Quanto a este concerto como talvez tenha visto pelos comentários é o concerto de despedida ...

    ResponderEliminar

Oportunidades na Amazon